sexta-feira, 8 de junho de 2012

BOAS PRATICAS DO CULTIVO DA CENOURA



1         Índice



1         Introdução

O presente trabalho de pesquisa tem como objectivo debruçar sobre aspectos inerentes a Cenoura. Ela é uma espécie de clima ameno cultivada na primavera, no verão e no outono em países de clima temperado e no inverno em países de clima sub-tropical. A cenoura é cultivada praticamente durante o ano todo. Pelas suas características de ciclo curto e paladar agradável, a cenoura consegue manter um lugar de destaque entre as hortaliças economicamente mais importantes. Participa como elemento básico em dietas alimentares de baixas calorias, servindo como ingrediente em saladas, sopas e molhos. No passado, a cultura foi muito explorada no exterior para a produção de caroteno; entretanto, a síntese industrial dessa substância a partir de 1947 fez o seu cultivo decrescer significativamente para este propósito. A cenoura se destaca como importante fonte natural de betacaroteno (5.000 a 15.000 Unidades Internacionais de Vitamina A por 100 g), sendo de grande valor no combate à deficiência dessa substância.

2          Origem e distribuição

A origem da cenoura parece estar localizada na Ásia, na área do Afeganistão, onde é possível encontrar cenouras em estado espontâneo.
Cultivada desde há mais de 2 mil anos, foi muito apreciada por determinadas classes sociais da Grécia antiga. As primeiras cenouras eram de cor branca, amarela e púrpura e não cor de laranja. As variedades actuais provêm de modificações destas variedades, iniciadas no século XVII, pelos holandeses.

 3         Importância Socio-económica

A cenoura tem grande importância socio-económica dado que ela tem um valor comercial considerável contribuindo assim para economia do país. A cenoura é rica em vitaminas A, B, C e em caroteno, precursor de vitamina A. Cem gramas de cenoura correspondem a 42 calorias (Aubert S., 1981). O consumo regular de cenoura é bastante eficaz no combate a doenças como as anemias e as avitaminoses. O caroteno confere protecção contra alguns cancros e tem efeitos muito benéficos na saúde da pele e da visão. As cenouras parecem, também, oferecer alguma protecção contra a acção dos raios ultravioleta, ajudando a pele a proteger-se contra agressões climáticas e aparecimento de rugas.
A cenoura é a hortaliça mais utilizada na preparação de alimentos para crianças após o desmame, sendo um alimento recomendado em caso de diarreias ou outros distúrbios do tubo digestivo. Isto faz com que a cenoura seja considerada um produto dietético por excelência e seja objecto de uma vigilância atenta.

 4         Classificação sistemática

A cenoura pertence à família Umbelifere e o seu nome científico é Daucus carota L.Pertence a espécie Daucus carota var. carota. Mais vulgar ou conhecido por cenoura.

5         Variedades mais cultivadas

A cenoura apresenta uma grande diversidade a nível da forma, do comprimento e da cor. Podemos distinguir vários tipos entre os quais: Nantes, Chantenay, Parisiense, Amsterdam, Flakkee e Imperador.
O mercado em fresco está dominado pela cenoura tipo Nantes que corresponde a uma raiz cilíndrica lisa, bem arredondada na extremidade, com colorido intenso e isenta de colo verde ou violeta. Quanto aos outros tipos são utilizados principalmente na indústria de transformação, como por exemplo: para sumos, alimentos para bebé e dietética (Chantenay); para congelação inteiras (Parisiense, mais curtas e redondas e Amsterdam, mais compridas e finas) e a Flakkee para congelação cortadas (macedónia).
Tendo em atenção o comprimento das raízes (curto, semi-comprido ou comprido) e o seu período de produção (precoce, tardio), poder-se-ão agrupar algumas variedades do seguinte modo:
Ø  Raízes curtas e precoces com início de produção em Abril/Maio:
Ø  Raízes semi – compridas com início de produção em Junho/Julho:
Ø  Raízes compridas com início de produção em Agosto/Outubro (produção tardia):
O cultivares de cenoura semi-compridas é actualmente as mais difundidas nas principais regiões produtoras.

6         Exigências Ecológicas

6.1       Clima

A cenoura é uma planta de regiões temperadas sendo o clima temperado marítimo bastante favorável à sua produção. É exigente relativamente à humidade e, em caso de seca, a raiz adquire um aspecto menos cilíndrico, formando-se no seu interior um reticulado fibroso que deprecia o valor comercial.
As condições climáticas anteriores à colheita têm muita importância na capacidade de conservação e duração do tempo de vida das cenouras. A chuva e a humidade relativa nas duas semanas que precedem a colheita são bastante desfavoráveis.

6.2       Solo

A planta prefere terrenos arenosos ou areno-limosos, profundos, bem drenados e ricos em matéria orgânica (M.O.). A cenoura não resiste em absoluto à acidez do terreno e é geralmente considerada como uma cultura hortícola sensível à salinidade.
O crescimento da raiz faz-se em função de factores como a intensidade de compactação, a textura, a porosidade, a estrutura e a estabilidade estrutural e ainda a humidade do solo.


7         Preparação de Terreno

A preparação do terreno tanto à superfície como em profundidade é importante para a implantação da cultura, para o desenvolvimento da raiz e qualidade à colheita. A manutenção qualitativa da estrutura do solo e da sua porosidade deve prever o arejamento, a facilidade de penetração das raízes, a actividade radicular, os riscos fitossanitários (fungos no solo), a actividade de micro organismos e a evolução da temperatura.
Além de melhorar a estrutura do solo, a cultivação permite enterrar os detritos vegetais da cultura anterior e incorporar os estrumes e adubações de fundo. A cultivação deve realizar-se quando o solo apresenta boas condições de humidade e não deve ser muito profunda (normalmente 25-30 cm) pois corre-se o risco de trazer à superfície a terra menos fértil.
Após a incorporação de matéria orgânica deverá realizar-se uma gradagem para uniformizar a superfície do terreno, que fica pronto para a desinfecção.
Nos solos arenosos, a manutenção da fertilidade depende, em boa medida, da aplicação de quantidades abundantes de matéria orgânica.
O nível de matéria orgânica no solo é muito importante já que actua a vários níveis:
Ø  Propriedades físicas do solo;
Ø  Crescimento da planta;
Ø  Capacidade de troca de catiões;
Ø   Retenção da água;
Ø   Actividade biológica do solo;
Ø   Migração dos elementos nutritivos.
Ao estrumar, deverão ser tomadas algumas precauções:
Ø  Não usar estrume demasiado fresco, já que a aplicação de um estrume mal decomposto, antes da cultura da cenoura, conduz a um aumento de raízes bifurcadas.
Ø  Não usar estrume com muita palha, já que podem ser criadas heterogeneidades no solo e aumentar o número de raízes bifurcadas.
Muitas vezes as técnicas culturais contribuem para a alteração da conformação geológica conduzindo a uma diminuição da estabilidade estrutural o que leva à má nutrição da planta e à redução da taxa de matéria orgânica.

8         Época de Sementeira

Um dos factores que condiciona o sucesso da cultura é a qualidade das sementes. Uma semente de boa qualidade deve estar em bom estado, apta a germinar e ter a garantia do cultivar. A cenoura cultiva-se ao longo de todo o ano, sendo durante os meses de Junho a Novembro o período de maior produção.


9         Profundidade da Sementeira

A sementeira convencional pode ser feita em linha contínua, manual ou mecanicamente, em sulcos de 1 a 2 centímetros de profundidade, espaçados de 20 centímetros. A sementeira não deve ser muito profunda (normalmente 25-30 cm).
A profundidade da sementeira e a densidade (número de cenouras por m2 ou ha) devem permitir o desenvolvimento homogéneo das cenouras com o mínimo de concorrência.

10    Compasso

Geralmente, o espaçamento de plantio no sistema semente-semente varia de 65 a 90 cm entre fileiras de plantas e cerca de 5 cm dentro das fileiras. O espaçamento usual, no caso do sistema semente-raiz-semente, é da ordem de 65 a 90 cm entre fileiras e em torno de 30 cm entre raiz dentro da fileira.

11    Práticas Culturais

11.1  Controle de Pragas e Doenças

Embora não seja totalmente eficaz, a rotação de culturas constitui uma importante prevenção na luta contra pragas e doenças do solo ao permitir uma redução significativa das populações de certos patogénicos. Com efeito, a protecção da cultura contra as doenças e pragas, que pode ser de ordem profilática, genética e química, deve inscrever-se num programa conjunto de condução da cultura. A primeira forma de combate consiste em prevenir os ataques antes que eles ocorram. Assim, deve-se:
Ø  Escolher as variedades melhor adaptadas às condições climáticas da região e ao ciclo cultural;
Ø   Escolher as variedades mais resistentes e tolerantes às doenças e pragas;
Ø   Semear em terreno são, bem drenado e evitar excessos de fertilização, sobretudo azotada;
Ø   Utilizar sementes sãs;
Ø  Praticar uma rotação de culturas suficientemente longa e evitar culturas precedentes que possam fomentar a doença;
A protecção química é o método mais simples, o mais rápido e o mais eficaz, pelo menos a curto prazo. Estas características, sobretudo a sua fácil utilização, tendem a conduzir a abusos que se saldam por alguns problemas no terreno, em especial os resíduos de pesticidas em quantidades muito importantes e o aparecimento de raças resistentes de inimigos das culturas. Os pesticidas utilizados têm frequentemente um efeito perverso acrescido: actuam não apenas sobre o alvo para o qual são homologados, mas também sobre o conjunto do ecossistema.

11.2  Adubação

A adubação do solo deve ser feitas com base nos resultados da análise de solo. O calcário (dolomítico, de preferência) deve ser incorporado na profundidade mínima de 20 cm, metade antes da aração e metade antes da gradeação, com antecedência mínima de 90 dias da sementeira. O cálculo das necessidades de fertilizantes deve ser feito comparando-se os resultados da análise de solo com os parâmetros de fertilidade para a cultura da cenoura. Os micro nutrientes boro e zinco são importantes nesta fase. Recomenda-se parcelar em duas vezes a adubação em cobertura, aplicando-se 60 kg/ha de N mais 60 kg/ha de k2O, aos 30 e aos 60 dias após a emergência. Deve-se irrigar levemente a cultura após esta operação, para evitar a queima das folhas pelo contacto directo com o adubo químico.

11.3  Rega

A manutenção de um teor constante de humidade permite à cenoura um aumento no rendimento e melhoria da qualidade. As cenouras bem regadas mostram-se mais lisas do que as que tiveram falta de água. Esta característica é geralmente tomada como um critério de qualidade.
Uma boa gestão da rega é condicionada pela escolha adequada dos equipamentos e pela sua condução que deve ser feita em função do clima, da natureza dos solos, do estado da cultura e do sistema cultural.
Apesar da rega por aspersão ser actualmente o sistema mais comum, são muitas vezes criadas, junto às plantas, condições de humidade que favorecem o desenvolvimento de doenças.
A rega excessiva pode provocar ainda alterações vulgarmente denominadas por “manchas de água” que correspondem a pequenas fendas de bordos irregulares nas cenouras.

12    Colheita

Depois de alcançado o desenvolvimento óptimo, as cenouras podem manter-se por algumas semanas no solo. Porém, apesar das cenouras ganharem em peso, a qualidade diminui: as folhas amarelecem, a raiz lenhifica no centro, perde sabor, pode rachar e tomar uma cor verde na zona do colo.

12.1  Critérios de Definição da Data de Colheita

A data da colheita depende do estado de desenvolvimento, da abertura de fendas no terreno e do aspecto da cenoura (diâmetro, aspecto liso da epiderme, arredondamento da extremidade apical da cenoura). Embora não exista nenhum parâmetro físico-químico objectivo que defina com precisão a data de colheita, o índice refractométrico e a firmeza são actualmente os parâmetros mais considerados. Com base no conhecimento do tempo de duração normal do ciclo cultural, é habitual o arranque de algumas plantas para verificar o estado de desenvolvimento da raiz.

12.2  Técnicas de Colheita

As operações de colheita incluem o arranque, a limpeza, a eliminação da folhagem, se necessário, e a recolha para recipientes.
A colheita pode ser manual, semi-mecânica ou mecânica. Actualmente a colheita mecânica está muito desenvolvida devido, sobretudo, às consideráveis vantagens na redução dos custos de produção relacionados com a mão-de-obra e à existência de cultivares que, pela sua folhagem erecta e resistência à tracção, estão bem adaptadas a este tipo de colheita.

12.3  Boas Práticas na Colheita da Cenoura

Após a colheita, a cenoura degrada-se rapidamente devido ao seu elevado metabolismo. A epiderme começa a descamar e os tecidos em redor dos cortes começam a perder a cor, afectando o aspecto exterior da raiz. A atenuação dos efeitos de degradação passa por:
Ø  Garantir um bom estado sanitário à colheita;
Ø   Colher de manhã bem cedo, de forma a evitar os períodos de mais calor;
Ø  Reduzir ao mínimo o tempo entre a colheita e o acondicionamento;
Ø   Colocar os palox ou caixas ao abrigo do sol, para evitar o aumento da temperatura.

Sem comentários:

Enviar um comentário